Revista EngWhereEngenharia, Arquitetura e Construção de Obra

Você está aqui:

Direito dos Animais, Qualidade da Água, Meio Ambiente, Ecologia
Revista EngWhere
  • A+
  • A-
  • Reset
Revista EngWhere
"De onde menos se espera, daí é que não sai nada." - Barão de Itararé
Ano 12 • nº 88 • 25/10/2013
ORÇAMENTOS, PLANEJAMENTOS E CANTEIROS DE OBRAS
Nesta Edição Profissão O Maior Profissional da Atualidade Meio Ambiente Declaração Universal dos Direitos dos Animais
Literatura Racismo Marketing Água e Vinho (2) Comportamento Mulheres e Crianças Primeiro!
Novidades nos softwares EngWhere

Todos os softwares passaram a ser liberados por pen drive!

Novo software em lançamento



O EngWhere Orgulhosamente apresenta!


Unindo o EngObras, o GerCon e 2 outros novos softwares.


EngWhere Escritórios & Obras

Suíte de Ferramentas de Organização & Produtividade

O Software de Design mais Arrojado e Moderno da Engenharia Nacional!



Principais Ferramentas
  • O EngWhere Diário de Obras (2 modelos distintos);
  • O EngWhere Caixinha de Obra;
  • O EngWhere GeeDoc (gerenciamento de documentos);
  • GerCon - Gerenciamento de contratos;
  • Medições de obras (geração e acompanhamento);
  • A Biblioteca do site e da Revista EngWhere ampliada;
  • Lançamento de despesas;
  • A Programação de obras (samanal e quinzenal);
  • Modelos de documentos (ferramenta para armazenamento, geração e impressão de correspondências, contratos, normas, rotinas administrativas, etc);
  • Banco de Lançamentos de Documentos Técnicos;
  • Gerador de catálogos (imagem, texto e tabelas);
  • Gerrador de entrevistas / catálogos para o RH / DP;
  • Contas a pagar (do escritório e de pequenas obras);
  • Contas a receber (do escritório e de pequenas obras);
  • Pequenos almoxarifados (para o escritório e pequenas obras);
  • Formulário para lançamento das Análises Críticas / Relatórios de Não-Conformidade;
  • Formulário para lançamento de Entrevistas do RH;
  • Gerenciamento das Senhas do Usuário;
  • Outras (V. Página).

Outros Recursos
  • Exportação para PDF;
  • Agendas multi-usuários;
  • Cadastros diversos;
  • Senhas nos bancos de dados;
  • Backup e ferramentas de administração de bancos de dados;
  • Atalhos e design ampliados e melhorados;
  • Liberações em pen drive.

Proposta

Outra proposta do Escritórios & Obras é substituir o Office no armazenamento de documentos, correspondências, normas técnicas, arquivo morto, modelos, imagens, etc., que são lançados em pouquíssimos arquivos.


A quem se destina

Ferramenta indispensável aos engenheiros, arquitetos, tecnólogos e empresas em geral;

Especialmente recomendado aos recém-formados que terão um local único e apropriado para armazenamento da documentação técnica gerada em toda sua carreira.

Empresas de fiscalização e administração de obras que poderão controlar tanto seus escritórios quanto as obras de seus clientes.

Imperdível!

Preços de lançamento.
Descontos especiais para usuários do GerCon e do Medic. Consulte-nos.

Paciência e tempo dão mais resultado que força e raiva.
- Jean de La Fontaine

Nova Versão de Software


Agora com liberações em pen drives e outras melhorias


Previso 2.0

O único software brasileiro de planejamento de obras

Descontos especiais para usuários da versão anterior. Consulte-nos.

Profissão . PRODUÇÃO DE OBRA
01
SETEMBRO
2013

O Maior Profissional da Atualidade

Para Dr. Rafael Duarte Gabriel da Silva

Enganou-se quem estava pensando que iríamos falar de nós mesmos.
Em momento de rara benevolência decidimos abrir o jogo e revelar as “10 Maiores Dicas” para transformar um modesto formando cabeça-de-bagre, no maior profissional de seu tempo.
Mas já alertando, de antemão, que ser “o cara”, não é garantia de perceber altos salários ou ter os melhores empregos. Sempre será conveniente se garantir com um caprichado currículo.
O título, certamente, refrescará o ego de qualquer desinfeliz, mas para que possa surtir algum efeito prático será necessário que alguém da empresa pense exatamente igual a ele, sobre si próprio.
Nós, por exemplo, que fomos os reis da cocada preta de nosso tempo, tivemos a urucubaca de conviver e ter que suportar os mais incompetentes chefes da época, sempre se posicionando contrários às nossas mais geniais idéias - se de difícil implantação na empresa - quando não as festejando efusivamente – se viáveis - para se passarem pelos donos delas.
Só o que ganhamos foi mais serviço para fazer.

1. A Seriedade Profissional
A seriedade é qualidade que distingue e viabiliza os campeões.
A profissão poderá ser um meio de subsistência, mas sua principal função não poderá ser o (fatídico) faturamento.
A dos engenheiros é construir o mundo, assim como a dos médicos é dar-lhe saúde!.
Felizmente, neste quesito, estamos bem na frente deles.
O oposto do profissional sério, que nos referimos, não é o carrancudo ou sem graça, mas o ridículo, invariavelmente malsucedido.
Por incrível que pareça, o bom-humor é uma prerrogativa de quem trata a profissão com seriedade e respeito;

2. A Ética (ou, para os mais saudosistas, assim caminha a humanidade...)
É engano pensar que a Técnica, o Conhecimento ou a Experiência, ainda são fatores que distinguem a excelência profissional.
Abaliza nossa opinião o Dr Roger Abdelmassih, um dos mais renomados especialistas em reprodução assistida da atualidade e condenado a 278 anos de prisão por ter cometido um ‘deslize’ ético.
Atualmente, com a internet fazendo do Conhecimento uma brincadeira para navegantes, a raridade do momento passou a ser a Ética: preciosidade dentro e fora da rede.
Não será difícil fazer um "pequeno" esforço para se tornar um dos profissionais mais éticos de seu tempo. Do jeito em que andam as coisas será pouco provável não conseguir;

3. Extrapole os deveres de sua carreira.
A maior lição a respeito vem de Fernando Pessoa:
Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.”
.
O Engenheiro não tem permissão de ser alheio ou arriar sua bandeira frente àa fome, à miséria, às precárias condições de vida e salários de seus subordinados, sua segurança, e ainda à destruição do meio-ambiente, à cegueira ética, à destruição de patrimônios artísticos, à discriminação em seu ambiente de trabalho, etc.
Nós, os profissionais, temos credibilidade quando abraçamos causas que, mesmo indiretamente, nos competem e, por força, temos obrigação de agir. Veja, por exemplo, o ‘poder’ de um Dráuzio Varela, cujas campanhas contra o fumo, a dengue, a AIDS, a pressão alta, o colesterol, a obesidade, etc., dão melhor resultado que as do Ministério da Saúde;

4. Extrapole os deveres do coleguismo.
Nunca esconda o que aprendeu, nem disfarce os bons ou os maus resultados de um experimento. Ensine, com prazer, o que sabe.
O ato do compartilhamento não só reafirma seu conhecimento, como o propaga.
Além do mais - e estão aí os grandes catedráticos das Escolas de Engenharia nos abalizando - a única forma de aprender é ensinando;

5. Sabedoria quase chinesa
a) Estude e desenvolva-se profissionalmente com paciência, moderação e constância.
Cuide de ampliar sua biblioteca, seus softwares e seus arquivos profissionais;
b) Saiba que os grandes problemas são resolvidos sempre nos 10 minutos após o despertar, ainda na cama.
As obras e empresas com horários rígidos, que não permitem 10 minutos aos seus administradores nem para respirar, são as que mais colecionam problemas insolúveis.

6. Auto-ajuda
Diferentemente do que apregoam os teóricos do RH, seja normal: tenha inimigos, deteste o chefe, despreze a bajulação, sinta medo, não se imponha aos seus subordinados, não tenha receios de suas próprias opiniões.
Feche definitivamente as portas ao sair das empresas que não lhe fizeram bem;

7. Compromissos de berço
Seu único compromisso é com a pontualidade.
Sua maior meta é aprender a ler e a escrever.
Seu mais precioso conhecimento é saber dar bom-dia ao chegar e boa-tarde sempre que sair do ambiente de trabalho.
Seus gritos de força (nos moldes do He-Man com a espada levantada) são: 'por favor' e 'obrigado' (pelos poderes de Grayskull);

8. Não ande para trás
O melhor profissional de seu tempo não usa celulares ou qualquer outro processo imbecilizante. Antes que dar o dízimo, empresta a Deus: faz caridade diretamente na fonte (a quem precisa). Antes que assistir ou ler jornais e revistas tendenciosas, preferirá uma boa e pura pornografia. Afasta-se, com todas as pernas, de tudo que carece de inteligência e/ou de bondade.
Sua maneira de se portar e agir é sua própria essência;

9. Cuidado com a vaidade
Não deixe se levar pelas luzes da mídia ou do elogio, no geral falsas e interesseiras. O brilho de quem é o melhor dispensa holofotes;

10. Quem ama o feio, bonito lhe parece!
Um médico proctologista ao ver as hemorróidas de seu cliente irritadas e sangrando deverá, antes, sentir a mais inesitante emoção.
Se você for calculista, ame os números. Se for planejador, ame o papelorum. Se for engenheiro de obra, ame seus peões.
Arrebatadamente!

O apresentador do Aventura Selvagem do SBT, Ricaherd, beija jacaré na boca em frente às câmaras não por ser carinhoso ao extremo, mas apenas por ser um competentíssimo biólogo (mesmo não tendo terminado o curso).

AGS

Início
Há 10 Anos na Revista... . PRODUÇÃO DE OBRA (REVISTA 20)

Banhos Inesquecíveis

Esta é para os que não sabem que o buraco é mais embaixo. A obra está sendo implantada em uma região que mal dispõe de água para se tomar banho.
Como executar a obra é problema seu, explicaremos apenas como se deliciar com um banho farto, nestas condições.
Antes de mais nada mantenha em lugar seguro 5 garrafas plásticas para coleta da água que eventualmente aparece. Sempre aparece.
Por isto jamais empreste suas garrafas a ninguém. Complete-as na primeira oportunidade, tampe-as e reserve-as para o cerimonial.
Já no banho, garrafas destampadas, utilize a primeira delas para molhar o corpo. Irá sobrar água, mas, nesta fase, não a economize. Em seguida ensaboe abundantemente todo o corpo. Afogue-se em espumas.
A segunda das garrafas se destina a retirar a espuma da região da cabeça (cabelos, olhos, orelhas, etc). Seja comedido.
A terceira é para os membros: primeiramente os braços e regiões íntimas, e eventuais espumas mais insistentes.
A quinta garrafa, e mais importante, é para esbanjar água. Utilize-a como achar melhor. Molhe novamente o rosto, a nuca, e não faça conta do desperdício. Sinta-se como um marajá da água e de outras farturas. Relaxe!
E tenha um bom banho, que você merece.

Início
Luis Fernando Veríssimo . LITERATURA
10
MAIO
1975

Racismo

Escuta aqui, ô criolo...
- O que foi?
- Você andou dizendo por aí que no Brasil existe racismo.
- E não existe?
- Isso é negrice sua. E eu que sempre te considerei um negro de alma branca... É, não adianta. Negro quando não faz na entrada...
- Mas aqui existe racismo.
- Existe nada. Vocês têm toda a liberdade, têm tudo o que gostam. Têm carnaval, têm futebol, têm melancia... E emprego é o que não falta. Lá em casa, por exemplo, estão precisando de empregada. Pra ser lixeiro, pra abrir buraco, ninguém se habilita. Agora, pra uma cachacinha e um baile estão sempre prontos. Raça de safados! E ainda se queixam!
- Eu insisto, aqui tem racismo.
- Então prova, Beiçola. Prova. Eu alguma vez te virei a cara? Naquela vez que te encontrei conversando com a minha irmã, não te pedi com toda a educação que não aparecesse mais na nossa rua? Hein, tição? Quem apanhou de toda a família foi a minha irmã. Vais dizer que nós temos preconceito contra branco?
- Não, mas...
- Eu expliquei lá em casa que você não fez por mal, que não tinha confundido a menina com alguma empregadoza de cabelo ruim, não, que foi só um engano porque negro é burro mesmo. Fui teu amigão. Isso é racismo?
- Eu sei, mas...
- Onde é que está o racismo, então? Fala, Macaco.
- É que outro dia eu quis entrar de sócio num clube e não me deixaram.
- Bom, mas pera um pouquinho. Aí também já é demais. Vocês não têm clubes de vocês? Vão querer entrar nos nossos também? Pera um pouquinho.
- Mas isso é racismo.
- Racismo coisa nenhuma! Racismo é quando a gente faz diferença entre as pessoas por causa da cor da pele, como nos Estados Unidos. É uma coisa completamente diferente. Nós estamos falando do crioléu começar a freqüentar clube de branco, assim sem mais nem menos. Nadar na mesma piscina e tudo.
- Sim, mas...
- Não senhor. Eu, por acaso, quero entrar nos clubes de vocês? Deus me livre.
- Pois é, mas...
- Não, tem paciência. Eu não faço diferença entre negro e branco, pra mim é tudo igual. Agora, eles lá e eu aqui. Quer dizer, há um limite.
- Pois então. O ...
- Você precisa aprender qual é o seu lugar, só isso.
- Mas...
- E digo mais. É por isso que não existe racismo no Brasil. Porque aqui o negro conhece o lugar dele.
- É, mas...
- E enquanto o negro conhecer o lugar dele, nunca vai haver racismo no Brasil. Está entendendo? Nunca. Aqui existe o diálogo.
- Sim, mas...
- E agora chega, você está ficando impertinente. Bate um samba aí que é isso que tu faz bem.

Leia outros textos de Luis Fernando Veríssimo

Início
A Revista nas Redes Sociais

Acompanhe-nos

As novidades e os textos mais importantes já veiculados na Revista EngWhere estão sendo lançados nas Redes Sociais.

Início
Mentiras sinceras me interessam.
- Cazuza
Bertolt Brechet . LITERATURA

1986

Elogio do Aprendizado

Elogio do Aprendizado, in Poemas 1913 – 1956, São Paulo, Brasiliense, 1986, p. 121

Aprenda o mais simples!
Para aqueles
Cuja hora chegou
Nunca é tarde demais!
Aprenda o ABC; não basta, mas
Aprenda! Não desanime!
Comece! É preciso saber tudo!
Você tem que assumir o comando!

Aprenda, homem no asilo!
Aprenda, homem na prisão!
Aprenda, mulher na cozinha!
Aprenda, ancião!
Você tem que assumir o comando!
Frequente a escola, você que não tem casa!
Adquira conhecimento, você que sente frio!
Você que tem fome, agarre o livro:é uma arma.
Você tem que assumir o comando.

Não se envergonhe de perguntar, camarada!
Não se deixe convencer
Veja com seus olhos!
O que não sabe por conta própria
Não sabe.
Verifique a conta
É você que vai pagar.
Ponha o dedo sobre cada ítem
Pergunte: O que é isso?
Você tem que assumir o comando.

Início
E-mails Enviados e Recebidos
20
FEVEREIRO
2012

Contratação de Médicos Cubanos - Revista 85

Tenho filhos e sei o que os médicos fazem com eles quando vão ao hospital, eles dão um remédinhos e manda ir em sua clinica particular. posso ser leigo quanto ao que esta acontecendo, mais isso é o pagamento que os médicos merecem; São um bando de urubu,carniceiros e hipócritas; só ligam para o dinheiro e posição social.vcs acham que o pobre entende o que essa briguinha descarada significa? não claro que não.Pagamos nossos impostos e so queremos ser bem atendido; pro inferno vcs bando de bandido que fica procurando uma oportunidade para ganhar +, agora vcs querem apoio, agora as ruas; vcs só não se lembram do juramento quando se formam, quando querem abrir suas megas clinicas.
Tenho vergonha de vcs, de falar que tenho que ser atendido por um medico Brasileiro. Eu vejo as filas de espera que se dar para fazer uma porcaria de um exame de fezes.Vcs já precisaram de um atendimento publico?
A. C.


Almir
Obrigado pelos comentários.
Como você se vê no direito de dar peruadas em nossos textos é de se esperar que possamos também peruar o seu (e dar-lhe, quiçá, alguns conselhos). De início chamou-nos a atenção, e nos impressionou, o fato de espelhar com exatidão a situação da grande maioria do que é dito hoje dentro e fora da internet. Um precioso modelo, tanto de conteúdo quanto de estilo.
Mas prepare-se que não iremos apenas dar-lhe tapinhas nas costas. Não suportaríamos a idéia de não poder tirar também umas casquinhas.
A concisão, seu ponto forte, serviu-nos de exemplo. O espírito politizado no último, idem. Infelizmente atira para muitos lados, como se tem feito, e perde munição.
Parece que não leu inteiro nosso texto, ou se o leu não entendeu. Isto tem acontecido constantemente com a maioria dos navegantes. Não sabem ou não querem ler, o que dá no mesmo.
Observe que, diferentemente do que entendeu, nós estamos atirando nos médicos.
Então aparece você atirando em nós e nos médicos. Não foi prático: ou nos elogia (ou corrige, ou completa) e atira nos médicos, ou os defende e nos ataca. Qual é o seu lado? Jogar munição fora é a melhor maneira de se perder a guerra.
Talvez quando escreve "vcs" não esteja querendo dizer "vocês", como entendemos. Neste caso pode ser que nós é que não percebemos o que disse. Mas se foi isto o que quis, outra dica: escreva normalmente e por inteiro "vocês", que quem não é do MSN irá demorar muito menos para traduzir. Já para quem é do MSN tanto faz, não deverão mesmo entender bulhufas. Não caberia aqui a regra (de nossa lavra): "Para bom entendedor, meia palavra bos..."?
O imprecionante foi que, sabendo ou não ler e escrever, mostrou que tem opinião formada, o que aterroriza a grande imprensa (que se passa por proprietária da opinião pública), até há pouco faturou alto oferecendo suas fajutas, servis, tendenciosas, opiniões.
Hoje ninguém mais quer saber de opinião alheia qualquer para balizar sua própria. Tornaram-se desnecessárias. Qualquer internauta as tem melhores e de sobra. No seu caso, é confesso, adquiriu opinião sobre os médicos da própria convivência com eles. Não precisa dos comentaristas de TV para dizer-lhe o que são ou o que deixam de ser.
AGS

Início
O maior erro que você pode cometer, é o de ficar o tempo todo com medo de cometer algum.
- Autor desconhecido
Ênio Padilha . MARKETING EMPRESARIAL
MARÇO
2011

Água e vinho (2)

Quais são, afinal, as principais diferenças e semelhanças entre Engenheiros e Arquitetos?

Engenheiros possuem um aguçado senso prático, enquanto os arquitetos possuem refinado senso estético. O arquiteto vê o mundo como um cenário de sensações. Ele explora o Mundo e as possibilidades. O engenheiro vê o mundo como uma intrincada rede de problemas a serem equacionados e resolvidos.

O arquiteto é um explorador. Um desbravador de horizontes. Ele sempre procura ampliar o limite. Ele vê uma cerca e diz "vamos atravessá-la". O engenheiro vê a mesma cerca e diz "como fazer para que as coisas caibam dentro do cercado".

O arquiteto aceita o risco não tem medo de estar errado. Talvez porque o erro, na Arquitetura, tem um tipo de consequência diferente das consequências dos erros na Engenharia.
Um erro, na arquitetura, significa um prédio feio, mal dimensionado, sem o sol no lado certo, com problemas de ventilação,... Coisas importantes, sem dúvida. Mas nada disso mata!
Um erro, na Engenharia, coloca vidas e patrimônios em risco!

O arquiteto não aceita passivamente as regras. Ele luta contra elas, enquanto acredita que existe um jeito diferente de fazer a coisa. E o arquiteto sempre acredita que existe um jeito diferente de fazer e construir qualquer coisa.

O arquiteto valoriza o belo! Ele acredita que tudo o que precisa ser construído pode ser construído de forma de forma bonita.

O arquiteto acredita que a beleza não tem preço. E sofre quando o cliente (ou engenheiro) sacrifica a beleza da obra projetada por conta de restrições financeiras.

Engenheiros e Arquitetos têm em comum a personalidade competitiva. São competitivos. Lidam bem com o fato de serem avaliados como pessoas e como profissionais. Não se incomodam com classificação em categorias. Isso já vem de antes da faculdade, quando, geralmente, participam de processos seletivos (vestibulares) disputados;

Engenheiros e arquitetos são planejadores. São profissionais que tem o futuro como objeto de trabalho. Desenham soluções que afetam o futuro e lidam bem com essa perspectiva; A visão espacial (a capacidade de antever, na sua mente, a coisa projetada) também é uma característica comum às duas partes.

Arquitetos são visuais. São afetados pela estética, pelas formas, texturas e cores. Expressam-se com facilidade utilizando recursos visuais como o desenho, a pintura, a escultura e a fotografia;

Os engenheiros são auditivos. Seu raciocínio lógico faz com que eles aceitem melhor as explicações descritivas. Expressam-se com facilidade através de fórmulas, gráficos e definições matemáticas.

Há quem diga que o arquiteto é vaidoso. Mas o engenheiro também é.
Engenheiros e Arquitetos são vaidosos. Mas a vaidade dos dois tem natureza diferente. Enquanto nos arquitetos a vaidade se manifesta sob a forma da busca pela fama e visibilidade, os engenheiros apresentam uma forma de vaidade intelectual. Gostam de serem reconhecidos pela inteligência e, não raro, sentem-se constrangidos (pouco à vontade) em ambientes que não dominam intelectualmente. O engenheiro se vê (e quer ser visto) como alguém que sabe tudo e entende de tudo.

O arquiteto gosta de aparecer. E o engenheiro gosta de ser notado. O engenheiro gostaria que sua capacidade intelectual fosse reconhecida o tempo todo. O arquiteto gostaria de ser recebido na obra por fotógrafos e jornalistas.

O Engenheiro é adepto da disciplina, do pragmatismo e da legalidade. O Arquiteto valoriza a criatividade e a invenção.

São algumas semelhanças e muitas diferenças entre esses dois profissionais.

Identificar e entender essas diferenças é fundamental para obter os melhores resultados dessa relação absolutamente inevitável. Se, além de identificar e entender, os profissionais souberem tirar proveito dessas diferenças, para o bem do resultado final, estará caracterizada a vitória da inteligência e do bom senso.

Engenheiros e Arquitetos precisam ter, para a outra parte, um olhar mais generoso. É preciso não apenas perceber as diferenças, mas perceber que as diferenças podem tornar o outro melhor e mais útil para certas atividades.

A Engenharia brasileira deve muito à criatividade e à ousadia dos grandes arquitetos. Grandes projetos de arquitetos brasileiros como Oscar Niemeyer, por exemplo, desafiaram a engenharia e deram aos engenheiros a oportunidade de mostrar o seu valor.
A arquitetura brasileira, por outro lado, deve muito à competência e à capacidade dos nossos grandes engenheiros. Sem eles, alguns arquitetos poderiam ter tido bons projetos engavetados por serem considerados inexequíveis.

Eu conheço alguns casos concretos. Você não?

Ênio Padilha
Engenheiro, escritor e palestrante.
Formado pela UFSC, em 1986, especializou-se em Marketing Empresarial na UFPR, em 1996/97.
Escreve regularmente e seus artigos são publicados, todas as semanas, em diversos jornais do país.
Leia outros artigos no site do Especialista: www.eniopadilha.com.br eniopadilha@uol.com.br
Início
O futuro tem muitos nomes. Para os fracos é o inalcansável, para os temerosos, o desconhecido. Para os valentes é a oportunidade.
- Victor Hugo
Adilson Luiz Gonçalves . COMPORTAMENTO
MAIO
2013

Mulheres e Crianças Primeiro!

Há algum tempo, uma amiga, sem explicar o motivo, perguntou-me à queima-roupa: "- Se a sua mulher tivesse que optar entre salvar a sua vida ou a de seu filho, qual opção ela escolheria?".
Minha resposta foi imediata: - A do meu filho!

Ela sorriu e, diante de minha curiosidade posterior, explicou o motivo do "teste":
Um amigo comum - com a ideia de aferir o grau de afetividade da companheira - havia feito a mesma pergunta para sua esposa e, ao ver que ela havia optado de forma incontinente pelos filhos, ficou profundamente perturbado e frustrado.
No íntimo, ele esperava uma resposta que considerasse todo uma história de companheirismo, cumplicidade e amor.
Confesso que também fiquei surpreso, mas com a atitude e expectativa dele!

Primeiro, porque é muito cruel, além de completamente absurdo, propor esse tipo de questão para uma mãe. Segundo, porque eu nem precisaria perguntar isso para saber a resposta. Terceiro, porque os filhos são trazidos à vida pelos pais. Então, nada mais justo que os pais sejam responsáveis pela preservação dessas vidas. Quarto, porque esse nosso amigo estava bem acima do peso, e seria bem mais difícil segurá-lo...

É verdade que os laços de amor entre um homem e uma mulher podem ser extremamente fortes, mas nunca chegarão sequer minimamente perto dos que unem mães e filhos; a começar pelo momento mágico da concepção: dom máximo de Deus à humanidade, reservado, pela ordem da natureza, ao ventre feminino!
Milagre da vida! Mistério incompreensível para os pobres de espírito!
Some-se a ele nove meses de coabitação física e espiritual, num mesmo corpo, partilhando o mesmo alimento, desafiando nossa vã ciência e filosofia.

Essa ligação tão íntima, visceral, não se rompe nem quando o cordão umbilical é seccionado!

Podemos conhecer muito bem a mulher que amamos. No entanto, só um filho pode afirmar que a conhece por dentro! E isso nada tem a ver com o tal Complexo de Édipo: é algo muito mais próximo do espírito do que da carne! Afinal, se elas já dão a vida para que eles nasçam e tenham sua própria, o que as impedirá de fazê-lo novamente?

Inesperado e frustrante é ver uma mãe mandar um filho à morte ou festejar sua perda, por mais nobre que tenha sido o motivo. Em verdade, diante do inevitável, a mãe morre um pouco, com ele.

Enquanto o homem pensa no presente, egoísta, a mulher também o faz, porém, sem descuidar do futuro.
O raciocínio é simples e objetivo: pouco ou nada eu terei para acrescentar à vida, por mais que eu me esforce; mas uma criança terá, ao menos, uma geração pela frente, para tentar.

Isso é lógica pura e universal!

As mulheres são capazes de amar infinitamente, enquanto nós ainda não aprendemos a lidar direito com isso.

Então, se existe tanto amor disponível e transbordante, porque querer um quinhão maior do que o infinito?

Para nós, uma singela gota desse oceano já deveria bastar! E que jamais seja na forma de uma lágrima de tristeza.
Sobre meu amigo: o fato dele ficar frustrado não diminuiu seu amor pela esposa.

Quem sabe tenha pensado, num primeiro momento, em correr para o colo de sua mãe e, com isso, compreendido a incomensurável tolice de sua expectativa.

Hoje, recuperado dessa ilusão de primazia sentimental, seu amor pelos filhos e pela esposa deve ser, seguramente, muito maior.
Espero que também tenha concluído que são amores totalmente diferentes, que dispensam: ciúmes, cobranças, competições ou testes.

Pelo contrário, cada um deve aprender a dar o máximo de si, sem exigir retribuição, pois ela vem naturalmente.
Isso se chama: família!

No mais, se os procedimentos internacionais de salvatagem já sentenciam: "Mulheres e crianças primeiro!"; quem somos nós para contrariá-los?
Além disso, a morte é uma incógnita; e é impossível saber quem estará disponível para nos dar a mão... Talvez não seja ninguém conhecido... Talvez sejamos somente nós e Deus...

O que vale, portanto, é estarmos sempre de mãos dadas na vida!

E nesse mister, as mães são terna e eternamente insuperáveis!

Adilson Luiz Gonçalves
Engenheiro, Professor Universitário e Articulista.
Leia muitos outros artigos no site do Professor
Fones: (13) 32614929 / 97723538
algbr@ig.com.br
Início
Há 11 Anos na Revista... PRODUÇÃO DE OBRA (REVISTA 06)

Agregados do Concreto (Valores empíricos)

  • CONSUMO: Se somarmos os volumes de brita (1 e 2) e areia, nas tabelas de preparo de concreto, teremos cerca de 1,65m³ de agregado para cada metro cúbico de concreto.
  • Tanto o Cimento Portland Comum (conforme EB1) como o Cimento Portland de Alta Resistência Inicial (EB2) devem ser armazenados sobre entrado de madeira em pilhas de no máximo 10 sacos.
  • VOLUME DA AREIA: A areia úmida tem um ganho de volume (inchamento) de cerca de 30% em relação à areia seca.
  • ESCAVAÇÃO EM ROCHA - 1m³ de rocha fornece cerca de 1,35m³ de pedra.
  • Em um silo de 30m de altura a densidade do cimento CPE-32 varia de 1,4 a 1,6t/m³ conforme esteja na superfície ou no fundo do silo (a do Cimento AF-40 varia de 1,25 a 1,5 t/m³).
Início
O homem que se vende recebe sempre mais do que vale.
- Barão de Itararé
Meio Ambiente . DIREITO DOS ANIMAIS
27
JANEIRO
1978

Declaração Universal dos Direitos dos Animais

Proclamada pela UNESCO em sessão realizada em Bruxelas

Preâmbulo:

Considerando que cada animal tem direitos;
considerando que o desconhecimento e o desprezo destes direitos levaram e continuam a levar o homem a cometer crimes contra a natureza e contra os animais;
considerando que o reconhecimento por parte da espécie humana do direito à existência das outras espécies animais constitui o fundamento da coexistência das espécies no mundo;
considerando que genocídios são perpetrados pelo homem e que outros ainda podem ocorrer;
considerando que o respeito pelos animais por parte do homem está ligado ao respeito dos homens entre si;
considerando que a educação deve ensinar à infância a observar, compreender e respeitar os animais,
Proclama-se:

Art. 1 
Todos os animais nascem iguais diante da vida e têm o mesmo direito à existência.

Art. 2 
a) Cada animal tem o direito ao respeito.
b) O homem, enquanto espécie animal, não pode atribuir-se o direito de exterminar os outros animais ou explorá-los, violando esse direito. Ele tem o dever de colocar a sua consciência a serviço dos outros animais.
c) Cada animal tem o direito à consideração, à cura e à proteção do homem.

Art. 3
a) Nenhum animal deverá ser submetido a maus-tratos e atos cruéis.
b) Se a morte de um animal é necessária, deve ser instantânea, sem dor nem angústia.

Art. 4
a) Cada animal que pertence a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu ambiente natural terrestre, aéreo ou aquático e tem o direito de reproduzir-se.
b) A privação da liberdade, ainda que para fins educativos, é contrária a este direito.

Art. 5
a) Cada animal pertencente a uma espécie que vive habitualmente no ambiente do homem tem o direito de viver e crescer segundo o ritmo e as condições de vida e de liberdade que são próprias da sua espécie.
b) Toda modificação deste ritmo e destas condições impostas pelo homem para fins mercantis é contrária a este direito.

Art. 6
a) Cada animal que o homem escolher para companheiro tem o direito a uma duração de vida conforme a sua natural longevidade.
b) O abandono de um animal é um ato cruel e degradante.

Art. 7
Cada animal que trabalha tem o direito a uma razoável limitação do tempo e intensidade do trabalho, a uma alimentação adequada e ao repouso.

Art. 8
a) A experimentação animal que implica um sofrimento físico e psíquico é incompatível com os direitos do animal, seja uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer outra.
b) As técnicas substitutivas devem ser utilizadas e desenvolvidas.

Art. 9
No caso de o animal ser criado para servir de alimentação, deve ser nutrido, alojado, transportado e morto sem que para ele resulte ansiedade ou dor.

Art. 10
a) Nenhum animal deve ser usado para divertimento do homem.
b) A exibição dos animais e os espetáculos que os utilizam são incompatíveis com a dignidade do animal.

Art. 11
O ato que leva à morte de um animal sem necessidade é um biocídio, ou seja, um delito contra a vida.

Art. 12
a) Cada ato que leva à morte de um grande número de animais selvagens é um genocídio, ou seja, um delito contra a espécie.
b) O aniquilamento e a destruição do ambiente natural levam ao genocídio.

Art. 13
a) O animal morto deve ser tratado com respeito.
b) As cenas de violência de que os animais são vítimas devem ser proibidas no cinema e na televisão, a menos que tenham como fim mostrar um atentado aos direitos do animal.

Art. 14
a) As associações de proteção e de salvaguarda dos animais devem ser representadas em nível de governo.
b) Os direitos do animais devem ser defendidos por leis, como os direitos do homem.

Coletado em Natureba

Início
 
todo o site
EngWhere Orçamentos Ltda ® - Todos os direitos reservados